50%

#CrônicadeSexta

 

Desde o início da noite ela estava sentada em frente ao computador, tentando terminar o texto que havia começado há meses atrás. Em sua mente, via o livro se completando, mas as palavras não se transferiam para tela. Olhou para a mesa de trabalho, vários documentos se acumulavam, também esperando uma conclusão. Estava cansada, àquela hora da noite, não conseguiria mais produzir qualquer coisa.

    Levantou-se e deixou o copo com o resto de café frio sobre a mesa. Saiu do escritório e caminhou pela casa em direção ao quarto. Na sala, caixas aguardavam sua atenção para organização dos objetos e uma bicicleta com pneus murchos revelava a intenção não cumprida de uma vida saudável ao ar livre. Abriu a porta do armário para trocar de roupa. Separou o pijama em meio a várias peças nunca usadas que ela havia prometido separar para doação, mas nunca teve tempo. O cansaço era grande e adormeceu logo que se deitou na cama.

    Pela manhã, o celular a despertou com a música que já deixou de ser a sua favorita, pegou-o para desligar e viu que ele marcava somente as horas… a parte que marcava os minutos não estava lá, ela segurava apenas metade do celular. Olhou em volta, tudo estava ao meio! Estava deitada sobre metade de uma cama, vendo metade da TV que ficou ligada durante a noite. Sobre metade do criado mudo, metade de um copo ainda retinha água em seu interior. Correu para o banheiro e olhou para a metade restante do espelho… com apenas um olho, via metade de si mesma! Viu-se como cortada ao meio, órgãos internos todos visíveis… um coração bombeava sangue para apenas um dos pulmões! Desesperada, sentiu desejo urgente por uma xícara de café e correu para a cozinha… parou de repente, quase caindo do abismo de seu meio apartamento. Nada daquilo fazia sentido… como tudo funcionava estando partido? Como viver uma vida pela metade?

Conformada, sentou-se em frente ao computador, com apenas uma das mãos, retomou o trabalho do dia anterior… tomou o resto do café frio do dia anterior e recolocou a xícara inteira sobre a mesa. A cada palavra que escrevia, sentia-se mais completa até que, finalmente, abriu os olhos…

Crônica quase autobiográfica, inspirada por (e não em) “O Visconde Partido ao Meio”, de Ítalo Calvino.

Marcelo

Espero muito que tenham gostado e até mais!

Assinatura

Comente Aqui!
Por: Lóren Santos | 19/09/2015 | Cultura,Diversão

Você Também Pode Gostar